autores
actividades
onde comprar
 
 

 

 

 
 
 
 
 
TEXTO
Joy Sorman

ILUSTRAÇÃO
Anouck Boisrobert

Louis Rigaud

TRADUÇÃO
Helder Guégués
FORMATO

195x260mm

PÁGINAS
18
 

popville

Ao enveredar pela técnica pop-up, alguns autores não têm conseguido resistir à construção de uma espécie de livro-espectáculo, onde cores, formas e volumes se atropelam e lutam ruidosamente entre si até não restar um único espaço de silêncio e respiração. Tavez isto explique a recepção que Popville teve a nível mundial. Um livro que surgiu contracorrente, numa verdadeira lição dessa rara sobriedade e elegância gráfica. Uma espantosa estreia de Anouck Boisrobert e Louis Rigaud.
Quem já o fez, sabe que basta abrir a primeira página deste livro, onde a quietude de uma paisagem pontificada por uma igreja isolada, acompanhada por algumas árvores,  é um primeiro parágrafo extremamente bem conseguido de uma narrativa sobre a evolução de uma paisagem urbanística, desarmante na sua simplicidade, onde sentimos a passagem do tempo página após página.

No início, há muitas vezes apenas

uma igreja com o seu campanário

visível ao longe.

Bookmark and Share

Uma metamorfose feita de cores e volumes sóbrios, num verdadeiro documentário gráfico sobre a construção de uma comunidade que depois de nos oferecer o seu coração, o seu núcleo inicial, na primeira página, nos convida, algumas páginas mais à frente, a experienciar o frenesi de uma grande metrópole, com as suas inúmeras ruas, caminhos-de-ferro, fábricas, estações e prédios.
No final, o carácter poético do texto de Joy Sorman cumpre sabiamente um papel de continuidade e complementaridade com aquilo que acabamos de assistir: uma viagem pelo tempo, uma curta metragem onde cada leitor define o seu guião e a sua banda sonora, à medida que cidade cresce e ecoa em si.

— Bruaá

 

 

Simultaneamente singelo e sofisticado, este livro «pop-up» representa a materialização do nascimento e do crescimento de uma cidade. Partindo de um campanário de uma igreja, edifício após edifício, casa após casa, as formas predominantemente cúbicas multiplicam-se com equilíbrio e seguindo uma geometria muito estimulante. As ideias de edificação e de comunidade sustentam este objecto estético, uma representação visual em volume cuja chave interpretativa pode ser também encontrada num texto final muito descritivo e marcado pelo sensorialismo.

— Sara Reis Silva | Casa da Leitura

 
 
 
 
 
 

 

Sejam os primeiros a descobrir o

que andamos a fazer: os livros,
os lançamentos, os trabalhos, etc.

— Subscrever notícias

 

  Dúvidas, perguntas, um desafio, envio de trabalhos originais, um bruaá ou um simples olá.

– Contactem-nos

 

 

BRUAÁ EDIÇÃO E DESIGN

R. Dr. Santos Rocha, 17 r/c

3080-124 Figueira da Foz

t. +351 233 042 686